Cianotipia

A Cianotipa é um processo de impressão permanente muito usado no passado por sua característica de durabilidade e facilidade de preparação.

Carlos Rincon Cianotipia

Carlos Rincon Cianotipia

A Cianotipia é uma técnica de impressão fotográfica artesanal, que foi descoberta pelo inglês Sir John William Herschel, em 1842. Essa prática fornece imagens em tons de azul, sendo o grande diferencial a não utilização dos tradicionais sais de prata para produzir as imagens. São utilizados sais férricos, que ao entrar em contato com a luz UV se transforma em imagem permanente.
Com a fotografia digital, a cianotipia ganha novos horizontes e uma maior facilidade para produzir imagens atraentes. É possível produzir negativos digitais a partir de fotos feitas com câmeras e de celulares.
A impressão da cianotipia acontece por contato. Primeiramente, sensibiliza-se um papel de base de algodão, com a emulsão da cianotipia. Após a secagem coloca-se um negativo, sendo este produzido com auxílio do Photoshop e impresso em folha de acetato. Posteriormente, com o negativo e o papel no mesmo tamanho, realiza-se a exposição do mesmo na luz solar ou por meio de uma caixa de luz UV. Depois acontece a lavagem e a finalização do processo.

Carlos Rincon Cianotipia

Carlos Rincon Cianotipia

Aproveite os WorkShop de Cianotipia!

NOVAS DATAS

QUANDO LOCAL Link
25/03 Tiradentes – Foto em Pauta Inscrições
Confira o vídeo explicativo da Cianotipia!

Formulário para elaboração da cianotipia e seu processo. Procedimento

1 – Diluir 50 gramas de citrato férrico amoniacal em 250 – 300 ml de água destilada. 2 – Diluir 40 gramas de ferricianeto de potássio em 250 – 300 ml de água destilada.

A diluição deve ser feita em constante agitação.

Após 30 minutos de repouso, as soluções devem ser misturadas em proporção iguais e na quantidade ideal para o trabalho que deseja realizar. Ex 50ml de solução combinada são suficiente para sensibilizar de três a quatro folhas de papel no tamanho 20×20 cm.

A coloração da química deve ser amarelo-esverdeada, quase fosforescente. Preparação

Aplique a solução misturada em no papel com o auxílio de um pincel largo e macio, é aconselhável, porém não necessário, que se deixe uma margem em torno da área de trabalho. Seque o papel sensibilizado com o auxílio de um secador de cabelos(frio). É muito importante que o papel esteja totalmente seco antes de sua exposição à luz. Papéis úmidos ocasionam manchas no negativo e no resultado final.

Expondo a Luz.

Exponha à luz o “sanduíche” feito com o papel sensibilizado, o negativo e a chapa de vidro. O tempo de exposição à luz é indicado pela mudança de cor na área sensibilizada. O resultado deve ser apresentar uma imagem de cor azul-profundo.
O tempo de exposição deve ser controlado por uma tira de teste.

Lavagem

Após a exposição à luz, a imagem, que agora se apresenta em tons azuis, deverá ser revelada em banho de água corrente durante aproximadamente por 15 minutos. a uma temperatura da agua deverá ser ambiente para remoção total do químico.

Processo de viragem na cianotipia.

Azul-Marinho – Mergulhe a imagem numa solução de 5% de acetado de chumbo a 30oC de temperatura. Após a tonalização a imagem deve ser lavada em água corrente por 30 minutos. A fórmula é 10 gramas de acetado de chumbo para 200ml de agua destilada.

Dourado – Mergulhe a imagem já sensibilizada em 5% de amônia, assim a imagem ficará dourada. Após a tonalização a imagem deve ser lavada em água corrente por 30 minutos.